Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

EntreNós

Sem fronteiras no sofá

E os nossos irmãos brasileiros voltaram a ser a nossa salvação!

Fomos recebidos, pela segunda vez, por um grupo de brasileiros que está a estudar em Glasgow pelo programa Ciências Sem Fronteiras. Adoramos esse programa!! Estamos num grupo de couchsurfing para brasileiros que fazem parte deste programa e é incrível como todos se ajudam uns aos outros e respondem aos posts, oferecem suas casas, fazem sugestões e dicas. Um máximo! Tem-nos ajudado muito!!

 

Foi nesse grupo que conhecemos o Daví. Ele vive em Glasgow com mais 3 amigos: o Airton, o Thomás e o Marcelo. Apesar de só termos passado uma noite na cidade, ainda houve bastante tempo para conviver com os nossos hosts. Partilhámos umas boas conversas, o João "quase" foi jogar futebol com eles (só quando chegaram ao pavilhão é que perceberam que era preciso ter o cartão de estudante da Universidade) e ainda jogámos o tal jogo que o Tiago de Dublin nos mostrou/viciou - SpaceTeam! Façam um favor a vocês mesmos e saquem esta app! Consiste em gritaria, muito stress e algum multi-tasking! Nós chegámos ao nível 9! Conseguem passar? #DesafioLançado

Os nossos novos amigos foram super simpáticos e prestáveis. O Marcelo até foi connosco, de propósito, à universidade para imprimirmos os bilhetes de avião para Londres. :)

Obrigado, Fantastic Four! :D

 

P.S.: começamos a ter vontade de voltar a Lisboa só para poder receber e passar mais tempo com as pessoas que nos acolheram! 

 

en_dv.jpg

Só conseguimos apanhr o Daví e o Marcelo, mas o Airton e o Thomás também ficaram nos nossos corações! ;)

Brasil #EntreNós

Em Edimburgo fomos recebidos pela Lívia, uma brasileira simpatiquíssima com quem entrámos em contacto através de um grupo de couchsurfing do Facebook.

Foi a primeira vez na viagem em que ficámos hospedados com alguém completamente desconhecido e sem nenhum amigo em comum. Apesar disso, a Lívia acolheu-nos como se fossemos seus amigos de longa data! :D

Ela está a estudar na Universidade de Heriot-Watt, nos arredores de Edimburgo, e é lá que tem o seu quartinho, onde tão bem nos acolheu. A universidade/residência fizeram-nos sentir como se estivéssemos num American Pie, de tão parecidos que são os campus.

A Lívia é uma cearense (nasceu em Sobral) apaixonada por basquetebol e Star Wars. 

O seu quarto era pequeno, perfeito para um estudante que vai lá viver uns meses. Imaginem um quarto pequeno com cama, roupeiro e uma secretária. Mesmo assim, a Lívia prestou-se a oferecer-nos um pouco do seu espaço, isto com aulas e exames pelo meio!

O nosso coração está cada vez mais cheio com esta viagem!

Obrigado, Lívia! <3

 

livia en.jpg

 

 

 

 

Adorámos e odiámos - Dublin

Dublin foi uma das cidades que mais gostámos!

Pequenina e calma, amorosa e amistosa. Cheia de brasileiros (nossos companheiros das baladas) e irlandeses bem-dispostos. 

Ainda para mais encontrámos o céu limpo e o sol a sorrir para nós praticamente todos os dias! (Ok, podemos ter tido sorte...) Aconteceu, na verdade, um marco histórico da Eurotrip!: a Catarina passou o primeiro dia sem parecer o boneco da Michelin, como o João lhe chama - não usou o seu casaco azul, que a acompanha desde Paris (Obrigado, Fátima!).

Posto isto, cá vai o que adorámos e odiámos em Dublin: 

 

 

ADORÁMOS:

  • O facto de a cidade ser pequena e se poder percorrer facilmente em menos de 30 minutos a pé - gasta-se menos (tempo e dinheiro), passeia-se mais e desfruta-se mais!

 

12645008_10207108363739793_5034618933205282819_n.j

 

 

  • A simpatia das pessoas: em maior ou menor número, claro que há carrancudos em todo o lado, mas em Dublin devem ter uma lei que prende quem não sorrir e for fofinho para os visitantes. 

 

  • A comunidade brasileira que habita em Dublin. São imensos! E está-lhes no sangue: simpatia, boa disposição, positivismo; festa, dança, alegria!

 

  • Os legumes, fruta e....... os doces (nós temos tentado controlar a coisa, pais!, mas em Dublin não foi nada fácil) a preços surreais: 12 bananas por 1€; 8 Milkas por 2€... 

 

  • A possibilidade de ter "culture for free": praticamente todos os museus, galerias, parques, etc, têm entrada livre.

 

  • As Guinness: é na capital irlandesa que se bebem as melhores Guinness (sim, uma Guinness pode ter um sabor diferente dependendo de vários factores - vejam o post "Sabias que?... - Dublin"). A Catarina nem é grande fã de cerveja... Não era, aliás!

 

12573082_10207108364499812_7745829023221448128_n.j

 

 

 

 

ODIÁMOS:

 

  • Os preços dos restaurantes: comer fora sai caro; é complicado desfrutar de uma boa refeição por menos de 15€ (Calma, Dubliners!, não nos crucifiquem já se isto não corresponder à realidade. Talvez não tenhamos estado tempo suficiente em Dublin para conhecer os "cantos à casa"; talvez haja restaurantes bons e baratos. Vamos procurar melhor na próxima visita!)

 

  • Ouvir tanta gente dizer que estávamos com imensa sorte com a meteorologia...

 

We love Dublin! :D