Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

EntreNós

O Entre Nós aqui, uma vez mais, só para ti

O horror, a tragédia, o choque, a dor… Nós entendemos. O Entre Nós hibernou. Sem um aviso. Sem uma explicação. Em primeiro lugar gostaríamos de pedir desculpa a todos o que viram o seu quotidiano (outrora repleto de magníficas estórias Entrenozianas) alterado.
 

Mas as boas notícias são…: VOLTÁMOS!! :D

EN_Return.jpg

 

Vamos continuar a contar-vos as peripécias da nossa Eurotrip, sempre regadas com as curiosidades, dicas e humor a que vos habituámos. Posts sobre promoções e viagens também terão o seu espaço (a Ryanair teima em ajudar-nos neste ponto). Fotos e vídeos repletos de espetacularidade e alguma parvoíce finalizam o cardápio.
 

Por isso, reservem aqueles 10-15 minutinhos do vosso (início ou final de) dia para poderem ficar novamente…

#ENTRE NÓS!

O que fazer em… Amesterdão – Parte I

Como já vos contámos no post anterior, a estadia em Amesterdão foi prolongada. Na verdade, foi a cidade em que ficámos mais tempo – 10 dias.
 
Temos, por isso, muita coisa para partilhar convosco. Muito passeio, algumas experiências novas e muita risada. Ainda assim, como passámos a maior parte dos dias com um grupo grande de amigos – toda a gente sabe que quanto mais pessoas, mais difícil se torna organizar as actividades – houve muitos “must do” que acabaram por não se concretizar.
 
 
Red Light
Já todos ouvimos falar do famoso Red Light District (RLD), mas nem sempre os rumores correspondem à realidade. Não se pode ir a Amesterdão sem passar por lá. Há, na verdade, 3 RLD: o principal, em Walletjes, um em Singel e outro em Pijp.
Ruas estreitas; casas pequenas; janelas mais pequenas, outras maiores; no seu interior, mulheres (ou não – já explicamos) de todas as nacionalidades, formas e feitios. Sempre muito “acaloradas”, procuram cativar os olhares dos turistas. Não vale tirar fotos! Mas vale interagir com com elas. Uns acenam, outros atiram um piropo. E para quem gostar do que vê, é só mostrar o seu interesse, negociar e entrar. Segundo o que nos contou o nosso guia da FWT que fizemos, a média são 50€.

 
 
Uma “marinheira” ainda tentou seduzir o João, mas teve que se contentar com um piscar de olho.
Atençãos às cores dos neons nas janelas. Vermelho: mulher. Azul/Roxo: transexual/travesti.
A “prostituição de janela”é legal desde 2000. As trabalhadoras pagam impostos. Ao contrário dos rumores, o RLD é, actualmente, das zonas mais seguras da cidade, com vários polícias e seguranças privados contratados pelas próprias prostitutas. Mas…  atenção aos carteiristas!
Complementado com inúmeras lojas (maioritariamente sex shops), coffee shops e pubs, o RLD é a principal atracção turística de Amesterdão.
 
 
Peep Show
Já que andamos pelo RLD, falamo-vos do Peep Show.
Uma espécie de quarto central rodeado por 8 ou 9 compartimentos privados. No centro, o espetáculo: uma mulher ou uma mulher e um homem. Por 2€, temos 2 minutos de show. Why not?
Entrámos na nossa cabine - supostamente para 1 pessoas mas cobemos lá 3.
Uma janela opaca impedia a visão para o quarto central. Colocámos os 2€ na maquineta et voilá! No centro, um homem a oferecer (ou a fingir que dava?) sexo oral a uma mulher. Deitados num colchão giratório, performavam para as cabines. É possível vislumbrar os rostos das outras pessoas. Confessamos: não foi o melhor espetáculo do mundo, mas valeu pela experiência.
 
 
I amsterdam
Deixar Amesterdão sem a típica foto com as letras do “I amsterdam” é como deixar Paris sem ver a torre Eiffel.
 
 
 
O principal “I amsterdam” encontra-se na Museumplein, mesmo à frente do Rijksmuseum. Existem mais dois. Um no aeroporto de Schipol. E outro vai circulando pela cidade, consoante os eventos a destacar.
Dica: se quiserem uma foto sem 528 turistas, convem ir para lá de manhã, porque durante o resto do dia, é impossível e em vez de ficarem com uma foto do “I amsterdam”, ficam com uma do “I atem” ou do “I merd”. Não é tão fixe.
 
 
Batatas fritas
Há quem diga que são as melhores do mundo! Chamam-se Manneken Pis (tentámos descobrir a origem deste curioso nome que nos remete para Bruxelas, mas não conseguimos) e situam-se na Damrak, uma avenida perto da Central Station.
Todos os dias que por lá passávamos tinha fila. Normalmente, quando assim é, deve valer a pena a espera. E num dos dias não resistimos. Há 3 tamanhos de cone. E uma variedade enorme de molhos. QUE DELÍCIA! São caras, mas são maravilhosas! Experimentem!
 
 
Albert Cuyp Market
É o maior e mais popular mercado de rua da Holanda. É composto por cerca de 250 bancas/stands e está aberto seis dias por semana. Na nossa visita ao mercado fomos acompanhados pela Fernanda, uma brasileira simpatiquíssima que conhecemos no grupo de Couchsurfing do Facebook.
A variedade dos produtos à venda é enorme, desde sapatos e malas a vegetais frrescos. Mas a nossa sugestão: STROOPWAFELS! Já tínhamos provado estas famosas bolachas, mas nunca assim: quentinhas, acabadas de fazer mesmo à nossa frente! Ainda para mais o criador desta delícia era bastante simpático e arranhava português! As do supermercado são boas, mas estas são óptimas! Must try!
 
 
Vondelpark
Homenageando o “Shakespeare holandês” – Joost van den Vondel – este parque atrai cerca de 10 milhões de visitantes por ano. Seja para relaxar um pouco e simplesmente apreciar a vista, ler, ou praticar um desporto, o Vondelpark é uma óptima opção para fugir à azáfama do centro de Amesterdão. No dia do Rei – 27 de Abril – o parque transforma-se num dos maiores mercados do país.
 
 
 
 
Coffee shops
Este foi dos dias mais divertidos, se não mesmo o mais divertido de toda a Eurotrip! Que moca! Literalmente.
Existem perto de 150 coffee shops espalhadas por Amesterdão. São estabelecimentos onde se pode comprar e consumir drogas leves como haxixe, marijuana e sedativos. Não é permitida a venda de álcool nas coffee shops.
Para dois não-fumadores, a opção entre fumar um charro e comer uma fatia de bolo, parece-nos fácil.
Já tínhamos feito a nossa primeira tentativa, mas algo falhou, porque não sentimos grandes efeitos. Ou o bolinho tinha pouca erva ou fomos enganados.
Mas na segunda tentativa fomos a uma coffee shop que nos tinham recomendado como tendo dos melhores space cakes de Amesterdão – “Paradox”. Por 6€ tivemos direito a uma fatia de bolo, com 1g de erva (o primeiro bolo só tinha 0,3g).
 
  
 
Saboroso, na verdade. Sente-se o sabor da erva, mas é subtil e acompanhado por um paladar doce. Dividimos o bolo em dois e atacámos.
Meia hora depois, começámos a sentir o efeito. Tudo tinha piada. Começámos a rir por tudo e por nada.
 
Entretanto tínhamos ido para outro bar que tinha jogos de tabuleiro e decidimos experimentar Catan pela primeira vez. Bad idea. Rapidamente, o Francisco e a Teresa (amigos do Kiko) perceberam que aquilo não ia ser tarefa fácil. Desconcentrávamo-nos facilmente do jogo e desatávamos a rir. Já nem nos lembramos bem porquê. Desculpem, amigos! :D
 
Foi memorável. Grande moca!

Desventuras pelos Países Baixos

Ir a Roterdão e não dar um pulo a um dos locais mais inspiradores de sempre é um crime! Assim o diz a Catarina, que já cá tinha estado há uns meses, quando acompanhou o Kiko (mano mais novo) nas suas audições para o Conservatorium van Amsterdam (novidades sobre o Kiko e Amesterdão daqui a uns dias!).
 

E de que lugar vos falamos? Chama-se Kinderdijk, é Património Mundial da UNESCO e é uma pequena localidade paradisíaca situada 20km a sudeste de Roterdão, composta por 19 moinhos que remontam ao século XVIII.
Se o tempo estiver sorridente, é, sem dúvida, um Must Go!
 

Estes dias em Roterdão, porém, não foram os mais solarengos. Ora, no único dia em que o  sol nos sorriu e acordámos a uma hora decente, tivemos um contratempo.

A Catarina não pensou que talvez não fosse boa ideia colocar o iPhone no bolso (sem fecho) da camisola, enquanto andávamos de bicicleta. Deu asneira, obviamente!

 

Cerca de 20 minutos depois de sairmos de casa, ao procurar o telefone para tirar uma fotografia, a despassarada apercebeu-se que estava "mais leve". De repente, aquele som que o João tinha ouvido pouco depois de sairmos de casa e não percebeu o que era, fez sentido. Tinha sido o iPhone da Catarina na sua trágica queda.

Fotografias, vídeos, contactos. All gone! :'(  
Voltámos atrás, sempre com muita atenção ao chão, mas era quase como procurar uma agulha num palheiro. Passámos a pente fino a zona onde ele supostamente teria caído, mas nada.

A esperança perdeu-se e fomos para casa tristonhos. Eis quando… o João recebe uma mensagem! Era “da Catarina”! Esta alma caridosa encontrou o iPhone, desbloqueou-o (ainda hoje não sabemos como) e enviou uma mensagem para o João. O anjinho da guarda da Catarina não dorme em serviço! Que sorte!
Combinámos ir buscar o telefone a casa do rapaz que ficava do outro lado de Roterdão .

Acompanhados pela Ivana, tivemos direito a uma “bike tour” por Roterdão.

Chegámos a casa dos nossos salvadores. Era uma família super simpática do Suriname (há muitos emigrantes deste país na Holanda). Deixámos um postal com uma mensagem de agradecimento e o nosso contacto para se alguma vez fossem a Portugal e precisassem de algo. 
 

Não houve Kinderdijk, mas houve emoção e uma história para contar.

(A Catarina deixa algumas fotos que tirou da ultima vez que lá esteve para vos despertar a curiosidade)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E agora, Amesterdão!

O que fazer em... London - Parte I

Malta doida, desculpem esta ausência prolongada!.. Não tem sido fácil tirar um tempinho para escrever. Mas..... Estamos de volta! :D

 

 

Deixámo-vos em Glasgow. Ora, a 9€ de Glasgow… está London!

Tal como o Porto, Londres também já nos tinha recebido antes da Eurotrip. Ainda assim e como foram só uns dias, muito ainda havia para ser explorado.


Continua a não ser a nossa cidade favorita para se viver, mas sem dúvida que tem sempre coisas malucas a acontecer!

Com a ajuda do guia da FWT, descobrimos umas curiosidades bem interessantes que partilharemos convosco.

 

 

Must do:

 

Big Ben

Desenganem-se os que pensam que o Big Ben é o relógio gigante junto do Tamisa. Na verdade é o nome do sino instalado no Palácio de Westminster, em 1859.

Apesar de o nome se associar à torre do relógio, esta é oficialmente conhecida como a Elizabeth Tower, desde 2012, ano da celebração do Jubileu de Diamante (60 anos de coroação da rainha). Até esse ano era simplesmente apelidada de Clock Tower.

Curiosidade: a 27 de Julho de 2012, o Big Ben tocou durante 3 minutos (das 8h12 às 8h15) para anunciar a abertura dos Jogos Olímpicos.

Na nossa opinião, as “fotos dignas de postal” podem tirar-se de noite, a partir da Westminster Bridge (adoramos monumentos iluminados!).

 

bb.jpg

 

 

Cereal Killer Cafe

Este é daqueles must do mais alternativos. O Cereal Killer Café é uma pequenina “casa de cereais” situada no nº 139 da Brick Lane (perto de Bethnal Green).

Pode parecer um pouco estúpido – até o pior "cozinheiro" do mundo é capaz de juntar leite e cereais numa taça – mas, mesmo assim, adorámos o conceito de termos imeeeeeeeeeensas variedades de cereais de todo o mundo à escolha!

A decoração do espaço é, também ela, muito "típica". Adorámos!

Mas não voltamos. Com 4,5€ (custo de uma taça de leite com 2 tipos de cereais) compramos uma caixa de cereais gigante! Mas vale a pena dar lá um pulo e pedir uns cereais que nunca tenham provado.

 

IMG_4840.JPG

 

Ripley’s – Believe it or not

Situada no coração de Londres, em Piccadilly Circus, esta é cotada como uma das melhores atracções da capital inglesa.

O incrível Robert Ripley foi um cartonista/explorador/repórter/coleccionador que viajou por 201 países durante 35 anos, procurando o invulgar, o extraordinário. E encontrou-o! Esta colecção conta com os mais variados artigos vindos de todo o mundo. Arte, natureza, pessoas. Há de tudo um pouco.

As colecções de Ripley surgiram pela primeira vez em público em 1929, no seu primeiro livro, dando posteriormente origem a um programa de rádio e mais tarde de televisão.

Em 1936, Ripley foi mesmo votado o homem mais popular na América.

Desde o homem mais pesado do mundo (Robert Earl Hughes com os seus 485kg), ao homem lagarto, encontra-se de tudo aqui! Ovelhas com duas cabeças, vacas com 5 pernas, o Titanic construído com fósforos, caixões com formas de animais, you name it!

Além da exposição, há algumas possibilidades de interacção, como o Labirinto de Espelhos (onde, por momentos, tememos ficar encurralados para sempre), a Corrida entre Lasers (ao estilo de Missão Impossível) e o Buraco Negro (o João ia caindo!).

Os bilhetes foram cerca de 20€ cada, mas valeu a pena! :D

 

 

Chinatown

O nome dispensa grandes descrições. Entramos neste “bairro” e parece que estamos em Pequim. Restaurantes, lojas e mais restaurantes.

Não podíamos deixar passar… Atrevemo-nos a jantar num restaurante chinês! Num buffet! Baratucho! Sabemos que há uma grande probabilidade de nos terem servido o cão que na noite anterior se deliciava com os restos do lixo das traseiras do restaurante, mas arriscámos!

E que bem que soube, depois de tanto fast food e noodles! Confortou a barriga para as próximas semanas!

c.jpg

 

 

 

Camden town

Adorámos! Ir a Londres e não visitar este bairro é  um crime! Nos primeiros 15 minutos ficamos a olhar para toda a gente e aos risinhos e segredinhos, que nem duas crianças de 10 anos. Depois é soltar os cabelos e despenteá-los (com os do João custa menos), é rasgar as calças ou até despi-las! É ser carnaval em qualquer altura do ano. Haverá melho coisa que isso? *-* Só mesmo carnaval e compras no mesmo sítio!

Já entendem porque gostámos tanto de ter Camden town #EntreNós??

Tanto que nas duas visitas que fizemos a Londres, fomos lá três vezes!

P.S.: temos uma coisa a contar-vos sobre Camden no post das Curiosidades de Londres.

 

IMG_4405.JPG

 

 

Fiquem por aí que a Parte II já está no forno!